Um filão singular
Por: Redação - Revista Hotelaria - 09/09/2015
Estrutura e atendimento precisam ser diferenciados para conquistar clientes do segmento de alto padrão

De acordo com pesquisa da Brazilian Luxury Travel Association (BLTA), divulgada no final do primeiro semestre e que faz parte do Anuário Turismo de Luxo da entidade, produzido em parceria com o Centro Universitário Senac Campos do Jordão, o setor de viagens de alto padrão no Brasil tem demostrado um crescimento de 10% no faturamento de hotéis e 5% no faturamento das operadoras. Baseado nos anos de 2012 e 2013, o levantamento foi realizado com os empreendimentos associados e demonstrou que, entre os hóspedes cerca de metade são brasileiros, seguido pelos norte-americanos (22%), europeus (14%), latino-americanos (6%) e asiáticos (3%).

Para promover o turismo de luxo e atrair mais estrangeiros para esta área no Brasil, a BLTA, em parceria com a Embratur, vem realizando divulgações nos EUA. "Temos condições de proporcionar experiências incríveis, que unem as nossas riquezas naturais e culturais com hospedagem de alta qualidade. Nossa característica é deixar que os turistas vivenciem produtos exclusivos, elegantes, sustentáveis, com simplicidade e muito conforto", explica Simone Scorsato, diretora executiva da associação. Até dezembro, as ações devem seguir para a Europa.

Para o professor Ubiratam Costa Pereira, pesquisador do Senac, há aspectos relevantes e comuns aos empreendimentos que recebem este tipo de turista. Entre eles estão as chamadas "práticas de sustentabilidade", como a contratação e capacitação da mão de obra local, a valorização da cultura e do produtor da região, a destinação correta dos resíduos sólidos e a preocupação com o consumo consciente de água e de energia. Todos esses detalhes são avaliados pelo hóspede.

Outro levantamento dialoga com os resultados da BLTA. Segundo publicação anual da HotelInvest e da HVS Consultoria, os hotéis de luxo e da categoria upscale do Rio de Janeiro e São Paulo foram os mais beneficiados pela Copa do Mundo e obtiveram os melhores resultados do setor em 2014. A receita por apartamento desses hotéis (RevPAR) teve aumento real de 10,9%, no Rio, e 10,3%, em São Paulo, em relação a 2013. Estes resultados foram alcançados, principalmente, com o aumento das diárias médias no período, que subiram 12,9% e 7,6%, respectivamente. "Apesar do momento econômico desfavorável, os empreendimentos mais sofisticados têm apresentando excelente desempenho, o que mostra uma pressão de demanda na área", afirma Cristiano Vasques, sócio-diretor da HotelInvest e managing director da HVS South America.

Os bons índices dos hotéis com diárias mais caras até contrastam com os resultados das outras categorias de hospedagem e com o desempenho geral dos estabelecimentos das capitais analisadas. Os hotéis econômicos e midscale do Rio registaram queda de 4,3% no RevPAR. Houve uma diminuição de 5,9% na taxa de ocupação, devido principalmente à abertura de novos empreendimentos na localidade. Em São Paulo, o segmento econômico e supereconômico também teve desempenho modesto no ano passado. No acumulado do ano, houve queda de diária média e RevPAR (3,6% e 2,7%, respectivamente).

"Apesar do impacto das novas aberturas, o Rio de Janeiro mantém os melhores índices de desempenho do País. A desvalorização do real, com possível aumento das viagens de lazer dentro do Brasil, e a realização de eventos pré-olímpicos no segundo semestre podem minimizar a queda de ocupação prevista para o setor em 2015", avalia Cristiano Vasques.

São Paulo deverá ter desempenho estável em 2015. Diferentemente do Rio e de outras capitais, a cidade não deve sofrer o impacto da abertura de novos hotéis e espera-se que a demanda permaneça similar a de 2014. Isso deve manter um bom patamar nas taxas de ocupação. "A diária média deverá aumentar em linha ou até abaixo da inflação, tendo em vista negociações corporativas mais acirradas", diz Vasques.

Sob a ótica do hóspede de luxo
"O público de luxo está acostumado a ser surpreendido com experiências diferenciadas, além do atendimento personalizado. Ele não busca somente um hotel para dormir. Procura um empreendimento que, além de um quarto aconchegante, confortável e com amenidades e facilidades completas, também disponha de um bom spa para uma ótima massagem, um restaurante renomado e um mordomo ou conciérge que ofereça algo acima do padrão", destaca Simone Mariote, vice-presidente de vendas para América Latina da Preferred Hotels & Resorts, rede de empreendimentos independentes de alto padrão, atualmente com dez hotéis no Brasil, todos voltados a este cliente, entre os quais estão o Royal Palm Tower e Royal Palm Plaza Resort, o Windsor Atlantica Hotel e o Tivoli Ecoresort Praia do Forte.

Para ler a matéria na integra clique aqui.

Publicidade:
Últimas Noticias
30/08/2017
23/06/2017
23/06/2017
23/06/2017