10 Mega Tendências da Hotelaria para 2020 e 2021
Por: Marketing HSystems - 14/11/2019

 

2019 foi um ano de muitas mudanças, por isso, nós selecionamos para você os movimentos mais importantes que irão impactar a hotelaria nos anos de 2020 e 2021.

Vamos lá, porque muita coisa está para mudar.

1 - Crescimento do turismo interno e externo

Com a privatização de aeroportos, recuperação econômica e liberação da exigência de visto para vários países, o turismo no Brasil já apresenta números que confirmam uma retomada, mas com potencial para crescer ainda muito mais.

2 - Foco em experiências e personalização.

O foco dos grandes sites de reservas estará voltado para a venda de experiências mais completas que vão além da hospedagem. Eles já possuem um grande leque de opções de acomodações – e agora vão contar também com um grande leque crescente de serviços turísticos de experiências de destino. Alguns, inclusive já começaram a testar serviços de reservas de restaurantes.
Grande parte do esforço no futuro será de entender e antecipar as necessidades dos hóspedes.

3 - Mais propriedades e Hotéis migrando para o AirBnb.

O AirBnb começou no ano passado o trabalho de incorporação de hotéis na sua plataforma, e este processo continuará - isso significa que em pouco tempo, haverá uma mescla de hotéis e propriedades particulares na plataforma.

As novas tendências também apontam a profissionalização dos donos de casas de temporada incorporando serviços de hotelaria, e, por outro lado, a adaptação da hotelaria às novas necessidades do cliente por espaços diferenciados (ou menos padronizados que os quartos de hotéis).

4 - Viajante 4.0

O viajante 4.0 é usa a internet em toda sua jornada de compra. Para conquistar este viajante, os hotéis precisam estar atentos as suas redes sociais, seus reviews e conteúdo compartilhado por outros usuários na internet. Hotéis também precisam ser mobile first, isso significa que toda a experiência de compra tem que funcionar muito bem no mobile, além de estar integrada com a jornada de compra no desktop.

5 - Reformulação dos modelos de negócios dos Metabuscadores

Os sites que comparam preços de hotéis estão em constante reformulação. No passado, eles tinham o foco em levar os clientes para ofertas em OTAs, porém, um novo movimento já mostra eles estão buscando formas de negociar diretamente com os hotéis que se interessam por essa audiência, a exemplo das suas recentes integrações com ferramentas de vendas diretas de e-commerce hoteleiro.

6 - A mescla dos aluguéis de temporada e a hotelaria.

Assim como os sites de aluguel de temporada têm incorporado hotéis em suas plataformas, os sites de reservas de hotéis também tem agregado casas em seus portfólios, e administradoras hoteleiras já sinalizam interesse em administrar propriedades de temporada – isso faz sentido porque usar a expertise hoteleira neste novo mercado pode se tornar uma vantagem competitiva e uma nova forma de rentabilidade para as administradoras.

7 - Revenue Management como solução para aumento de lucratividade.

O RM ou a gestão de receita como é conhecida, é a prática de prever a oferta e a demanda por meio de dados confiáveis para que o hoteleiro consiga vender seu inventário pelo melhor preço possível. A prática começou na aviação, e será determinante no futuro para garantir o aumento da lucratividade dos hotéis, visto que os custos operacionais historicamente têm subido em uma proporção maior que o lucro líquido dos hotéis.

8 – O Google irá avançar mais na área de viagens.

Há pouco tempo, era fácil ter um bom ranqueamento no Google, especialmente sites relevantes como as OTAs. Hoje em dia, as primeiras visualizações de resultados já estão povoadas com anúncios e preços (muitos que vêm destes mesmos sites de reservas). A (nossa) expectativa, é que o Google crie uma nova vertente de anúncios patrocinados especiais (Adwords) para hotéis que queiram vender direto nestes espaços.

9 - Consolidação de canais de vendas podem aumentar custos de distribuição.

Os canais intermediários estão se consolidando, portanto, ficar no topo das pesquisas deve ficar mais caro. Além disso, estão surgindo novos programas de fidelidade e vendas recorrentes. Todas estas variáveis podem impactar no custo de aquisição de clientes, que deve ser especialmente bem calculado nos próximos anos. Para fugir deste movimento, o hoteleiro deve buscar a descomoditização, que é, em outras palavras, buscar diferenciais para seu produto que vão além do preço.

10 - Venda direta se torna mais necessária, e com mais variáveis.

A venda direta vai se tornar essencial para que o hoteleiro consiga balancear o custo de aquisição, e, se bem administrada deve ser o canal mais lucrativo do hotel. O novo desafio agora é: não só as OTAs têm a força de sempre nos canais digitais, como também outros hotéis concorrentes vão entrar na corrida.

O ponto chave é que os hotéis precisam retroalimentar sua máquina de vendas para que ela tenha um bom desempenho, e isso significa destinar orçamento suficiente para:

  • Redes Sociais – Instagram, Facebook
  • Remarketing – Anúncios para quem já visitou seu site
  • Google ads – anúncios de pesquisa do google

O hoteleiro deve estar disposto a investir no seu próprio canal de vendas o mesmo que ele investe em canais terceiros, pois, fidelizando o cliente diretamente, o custo de aquisição tende a cair consideravelmente.

Conclusão: : É importante que os hoteleiros fiquem atentos a grandes e pequenos movimentos de mercado, porque a medida em que o campo competitivo se torna mais complexo, os grandes resultados virão de um conjunto de pequenas otimizações e não de uma só grande ação.

Publicidade:
Últimas Noticias
30/12/2019
02/12/2019
02/12/2019
02/12/2019